FAQ's - Perguntas Frequentes

Nesta secção encontra uma selecção de perguntas mais frequentes colocadas pelos nossos clientes:

 

Como se participa um sinistro?

Existem diversas formas de formalizar uma participação de sinistro.

1) Pelo telefone 707 20 23 20 ou pelo e-mail pt_sinistros@cardif.com, solicitando esclarecimentos adicionais ao Departamento de Apoio ao Cliente que lhe transmitirá todas as informações necessárias.

2) Através dos formulários de participação de sinistro existentes e instruções constantes nas notas informativas.

3) Pelo telefone da entidade com quem foi subscrito o seguro.

Saiba como proceder aqui em caso de sinistro. 

 

 

Que documentos são necessários para participar um sinistro?

São necessários os formulários que disponibilizamos na área de Sinistros. Os formulários e documentos a enviar à seguradora diferem em função da garantia que pretende accionar.

Saiba aqui quais os documentos necessários em caso de sinistro.

 

 

Em quanto tempo deve ser feita a participação de um sinistro à Companhia após a sua ocorrência?

Esta questão depende da apólice de que seja titular.

Em todo o caso, é aconselhável que a participação seja efectuada o mais brevemente possível após a sua ocorrência.

Não é necessária a obtenção de todos os documentos necessários à instrução do processo de sinistro para a sua participação. Dependendo das situações, existem documentos que são disponibilizados apenas alguns meses após a solicitação dos mesmos.

Contudo, deve ser anexada à participação inicial o máximo de documentação possível. Isso permitirá uma maior celeridade na instrução, análise e conclusão de cada processo de sinistro.

 

 

Quanto tempo demora a análise de um processo de sinistro?

Depende da celeridade com que são enviados os documentos necessários à instrução de cada processo de sinistro.

De uma forma geral, podemos afirmar que após toda a documentação ter sido entregue, a avaliação, análise e decisão relativamente a um processo de sinistro não demora mais do que 15 dias.

 

 

Os documentos podem ser enviados por fax ou via e-mail?

A resposta a esta questão depende dos documentos em causa.

Documentos como relatórios médicos, assento ou certificado de óbito, relatório de autópsia, habilitação de herdeiros, e outros do mesmo género terão que ser originais ou cópias autenticadas.

Cópias de Bilhete de Identidade e Cartões de Contribuinte, documentos referentes à garantia de desemprego poderão ser enviados via fax - 217 957 207 - ou e-mail: pt_sinistros@cardif.com.

 

 

Como se pode obter informações sobre um determinado processo de sinistro?

O Serviço de Atendimento ao Cliente pode ser contactado por telefone - 707 202 320, fax - 217 957 207 - ou e-mail: pt_sinistros@cardif.com.

Em qualquer das opções deve sempre ser dada a identificação do segurado e indicar o número de processo de sinistro, de forma a facilitar o acesso à informação pretendida.

 

 

Um trabalhador com contrato a prazo tem direito à garantia de desemprego involuntário?

Sim, se a empresa cancelar o contrato antes da data acordada. As situações excluídas estão identificadas nos termos de contrato.

 

 

Um trabalhador por conta própria tem direito à garantia de Incapacidade Temporária para o Trabalho?

Sim. Se um trabalhador por conta própria não puder trabalhar por motivo de Doença ou Acidente, a seguradora responsabiliza-se pelo pagamento das mensalidades durante o período da baixa.

 

 

A Seguradora paga ao segurado ou à entidade financeira?

A Seguradora paga directamente ao Banco ou entidade financeira com o qual é detido o contrato.

 

 

O segurado tem de pagar as mensalidades assumidas pela Seguradora?

Nunca. Não estamos a falar de um empréstimo, mas sim da efectiva substituição da responsabilidade do pagamento. A Seguradora assume o pagamento durante o período de baixa ou desemprego e posteriormente o segurado não tem de devolver qualquer quantia.

 

 

Um trabalhador que seja tanto por conta própria como por conta de outrem, tem direito a que garantias?

Depende de que actividade tenha estipulado como principal para efeitos de Segurança Social. Se for por conta própria, usufrui das garantias de Incapacidade Temporária e de Hospitalização; se for por conta de outrem, usufrui das garantias de Incapacidade Temporária e de Desemprego.

 

 

Um trabalhador por conta de outrem que trabalhe fora de Portugal é elegível para o seguro?

Sim, desde que a entidade patronal seja portuguesa e efectue os descontos para a Segurança Social portuguesa. Além disso, este seguro é válido independentemente do local onde ocorre o sinistro, o que será uma mais-valia nos casos de baixa médica por acidente de trabalho, por exemplo.

 

 

Caso o segurado tenha uma operação marcada no momento de compra do seguro de protecção ao crédito, esta fica coberta pelo seguro?

Não. Da mesma forma que não é possível activar esta protecção se já estivesse de baixa médica, também não são asseguradas situações das quais o segurado já tenha conhecimento.

 

 

Um trabalhador liberal que efectue descontos através da sua Ordem Profissional é elegível para seguro de protecção ao crédito?

Sim. O que é necessário para activar a garantia de Incapacidade Temporária para o Trabalho é fazer prova tanto da existência de uma actividade profissional regular como da situação de baixa médica, o que é possível através da Ordem Profissional.